Num meio-dia de fim de Primavera
Tive um sonho como uma fotografia.
Vi Jesus Cristo descer à terra.
Veio pela encosta de um monte
Tornado outra vez menino,
A correr e a rolar-se pela erva
E a arrancar flores para as deitar fora
E a rir de modo a ouvir-se de longe.

Tinha fugido do céu.
Era nosso demais para fingir
De segunda pessoa da Trindade.
No céu tudo era falso, tudo em desacordo
Com flores e árvores e pedras.
No céu tinha que estar sempre sério
E de vez em quando de se tornar outra vez homem
E subir para a cruz, e estar sempre a morrer
Com uma coroa toda à roda de espinhos
E os pés espetados por um prego com cabeça,
E até com um trapo à roda da cintura
Como os pretos nas ilustrações.
Nem sequer o deixavam ter pai e mãe
Como as outras crianças.
O seu pai era duas pessoas
Um velho chamado José, que era carpinteiro,
E que não era pai dele;
E o outro pai era uma pomba estúpida,
A única pomba feia do mundo
Porque nem era do mundo nem era pomba.
E a sua mãe não tinha amado antes de o ter.
Não era mulher: era uma mala
Em que ele tinha vindo do céu.
E queriam que ele, que só nascera da mãe,
E que nunca tivera pai para amar com respeito,
Pregasse a bondade e a justiça!

Um dia que Deus estava a dormir
E o Espírito Santo andava a voar,
Ele foi à caixa dos milagres e roubou três.
Com o primeiro fez que ninguém soubesse que ele tinha fugido.
Com o segundo criou-se eternamente humano e menino.
Com o terceiro criou um Cristo eternamente na cruz
E deixou-o pregado na cruz que há no céu
E serve de modelo às outras.
Depois fugiu para o Sol
E desceu no primeiro raio que apanhou.

Hoje vive na minha aldeia comigo.
É uma criança bonita de riso natural.
Limpa o nariz ao braço direito,
Chapinha nas poças de água,
Colhe as flores e gosta delas e esquece-as.
Atira pedras aos burros,
Rouba a fruta dos pomares
E foge a chorar e a gritar dos cães.
E, porque sabe que elas não gostam
E que toda a gente acha graça,
Corre atrás das raparigas
Que vão em ranchos pelas estradas
Com as bilhas às cabeças
E levanta-lhes as saias.

A mim ensinou-me tudo.
Ensinou-me a olhar para as coisas.
Aponta-me todas as coisas que há nas flores.
Mostra-me como as pedras são engraçadas
Quando a gente as tem na mão
E olha devagar para elas.

E depois, cansado de dizer mal de Deus,
O Menino Jesus adormece nos meus braços
E eu levo-o ao colo para casa.

Ele mora comigo na minha casa a meio do outeiro.
Ele é a Eterna Criança, o deus que faltava.
Ele é o humano que é natural.
Ele é o divino que sorri e que brinca.
E por isso é que eu sei com toda a certeza
Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.

Damo-nos tão bem um com o outro
Na companhia de tudo
Que nunca pensamos um no outro,
Mas vivemos juntos os dois
Com um acordo íntimo
Como a mão direita e a esquerda.

Depois eu conto-lhe histórias das coisas só dos homens
E ele sorri porque tudo é incrível.
Ri dos reis e dos que não são reis,
E tem pena de ouvir falar das guerras,
E dos comércios, e dos navios
Que ficam fumo no ar dos altos mares.
Porque ele sabe que tudo isso falta àquela verdade
Que uma flor tem ao florescer
E que anda com a luz do Sol
A variar os montes e os vales
E a fazer doer aos olhos dos muros caiados.

Depois ele adormece e eu deito-o.
Levo-o ao colo para dentro de casa
E deito-o, despindo-o lentamente
E como seguindo um ritual muito limpo
E todo materno até ele estar nu.

Ele dorme dentro da minha alma
E às vezes acorda de noite
E brinca com os meus sonhos.
Vira uns de pernas para o ar,
Põe uns em cima dos outros
E bate palmas sozinho
Sorrindo para o meu sono.

Quando eu morrer, filhinho,
Seja eu a criança, o mais pequeno.
Pega-me tu ao colo
E leva-me para dentro da tua casa.
Despe o meu ser cansado e humano
E deita-me na tua cama.
E conta-me histórias, caso eu acorde,
Para eu tornar a adormecer.
E dá-me sonhos teus para eu brincar
Até que nasça qualquer dia
Que tu sabes qual é.

Esta é a história do meu Menino Jesus.
Por que razão que se perceba
Não há-de ser ela mais verdadeira
Que tudo quanto os filósofos pensam
E tudo quanto as religiões ensinam?

Autor: Alberto Caeiro
Narração: António Abujamra

Exibições: 8

Os comentários estão fechados para esta mensagem de blog

Últimas atividades

MABAESTRELA LIS deixou um comentário para MABAESTRELA LIS
5 horas atrás
MABAESTRELA LIS atualizaram seus perfis
7 horas atrás
MABAESTRELA LIS adicionou 3 discussões ao grupo BEM ESTAR ESTILO E SAUDE
7 horas atrás
MABAESTRELA LIS postou um grupo
Miniatura

BEM ESTAR ESTILO E SAUDE

BEM ESTAR-ESTILO E SAUDE A PRATICA REGULAR DE ATIVIDADE FISICA ALIADA A UMA ALIMENTAÇAO EQUILIBRADA SAUDAVEL A QUALQUER IDADE.PARA SAUDE FISICA,MENTAL EMOCIONAL,ESPIRITUAL-ESTE SITE não é um consultório, nem uma farmácia. NÃO DÁ CONSELHOS MÉDICOS.…Ver mais...
8 horas atrás

Administrador
Anna Karenina e MABAESTRELA LIS agora são amigos
8 horas atrás
MABAESTRELA LIS deu um presente para Anna Karenina
8 horas atrás
benedito c g lima postou um status
"Poetas de Corumbá ms se preparam para Lançamento de Certame de Poesia a nivel Nacional"
12 horas atrás
benedito c g lima postou fotos
12 horas atrás
benedito c g lima postou um status
"Aguardando a chegada do Sábado para o POETAS NA PRAÇA."
12 horas atrás
benedito c g lima postou um status
"Aguardando o Sábado para POETAS NA PRAÇA"
12 horas atrás
benedito c g lima atualizaram suas fotos do perfil
12 horas atrás
benedito c g lima é agora um membro de revista virtual metamorphosis
12 horas atrás
MABAESTRELA LIS é agora um membro de revista virtual metamorphosis
segunda-feira
MARIA DO SOCORRO WALRAVEN DE SOU é agora um membro de revista virtual metamorphosis
sábado

Escritor
Luly Diniz agora é amigo de Anna Karenina, Isabel Cristina Silva Vargas e Adul Rodri
11 Fev

Escritor
Luly Diniz postou fotos
11 Fev
Margareth das Dores Rafael Morei é agora um membro de revista virtual metamorphosis
5 Fev

Administrador
Posts no blog por Anna Karenina

minha ausência

Amigos estou ausente pq estou sul da bahia numa praia qse deserta em Ilhéu praia de Mamoan e não há nem internet nem sinal de celularmas breve voltareiVer mais...
1 Fev

Escritor
Zélia Mendonça Chamusca comentou a postagem no blog INTERROGAÇÃO de Paolo Lim
"Poeta assim nunca eu tinha conhecido e a Paolo Lim não há nenhum parecido, porque ele é único, singular na sua forma de saber poetar. Parabéns!"
1 Fev

Escritor
Posts no blog por Paolo Lim

INTERROGAÇÃO

Não teria nexo, tampouco sentido,se no anexo do texto lido,um perplexo…Ver mais...
1 Fev

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Anna Karenina.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

U