PENSANDO NO AMOR

 

Estava eu a pintar minhas ilusões selecionando os senões para derrubar a muralha, quase intransponível, em que se encontrava meu amor. Nervoso estava e nada me acalentava, visto que a minha preocupação estava por trás do paredão. Na tarde quase morrendo e eu fervendo de tristeza e com grande semblante de dor. Não poderia deixar meu amor naquela situação. Devemos nos lembrar que em nosso caminho estão as nossas realizações. O que nos importa , acima de tudo é o escudo que nos protege do mal.

A aceitação serena do que se é e propõe com boa vontade e perseverança, um ideal, um objetivo elevado e abençoado, surge de repente uma estrela luminosa a nos fascinar para nos apaixonar pela vida.  O mundo pertence aos audazes e perseverantes. Diga não aos ignorantes, aos beligerantes, aos detratores e os que nos induzem ao mal.

Tudo é normal ou anormal nesse mundo dos imortais. Na minha mente um desejo ardente de transpor aquele obstáculo, tão duro para rever e abraçar o meu amor. Minhas forças com o grande pulsar do coração leva-me de roldão. Não descanso, enquanto as artimanhas não venham me visitar e num piscar de olhos com o semblante iluminado e a psicosfera me fez lembrar os belos momentos que com ela passei e jamais poderia esquecer.

Fiz planos, para uma boa realização. As "armas" que dispunha usei-as. Aos poucos fui vencendo aquele duro e quase intransponível obstáculo para mim. Através da força interior cheguei ao cume e com uma leveza sutil ultrapassei aquele paredão e fui abraçar meu amor. O nervosismo tomava as suas feições, mas a calma veio quando um grande e forte  abraço lhe dei. Nesse momento lembrei-me de uma bela trova de um amigo que decorei. "O agrado do teu carinho", tão importante para mim, tem a plumagem do arminho nas roupagens de um festim!

As destrezas que realizamos, nunca são tão belas quanto às que sonhamos. Ah! como é belo sonhar quando estamos apaixonados. Ás vezes, nos acontecem coisas tão belas, que nunca pensamos em sonhá-las. Tudo aqui citado não foi lorota e inventado, todo esse cenário aconteceu. Na tremenda alegria afirmava que o único jogo no qual dois podem jogar e ganharem é o jogo empolgante do amor. O amor sendo cego, os enamorados não podem ver as loucuras que cometem. Mesmo sendo cego esse amor sempre quero enaltecer, pois sem você não sei viver.

 

 ANTONIO PAIVA RODRIGUES-FORTALEZA-CEARÁ

Exibições: 205

Comentar

Você precisa ser um membro de revista virtual metamorphosis para adicionar comentários!

Entrar em revista virtual metamorphosis

Badge

Carregando...

© 2017   Criado por Anna Karenina.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

U