BOITATÁ

Em tempos mui antigos, que as gentes mal se lembram, houve um grande dilúvio, que afogou até os cerros mais altos.

Pouca gente e poucos bichos escaparam - quase tudo morreu.

Mas a cobra-grande, chamada pelos índios de Guaçu-boi, escapou.

Tinha se enroscado no galho mais alto da mais alta árvore e lá ficou até que a enchente deu de si as águas começaram a baixar e tudo foi serenando, serenando...

Vendo aquele mundaréu de gente e de bichos mortos, a Guaçu-boi, louca de fome, achou o que comer.

Mas - coisa estranha! - Só comia os olhos dos mortos.

Diz-que os viventes, gente ou bicho, quando morrem guardam nos olhos a última luz que viram.

E foi essa luz que a Guaçu-boi foi comendo, foi comendo...

E aí, com tanta luz dentro, ela foi ficando brilhosa.

Não de uma luz de fogo bom e quente. Mas de uma luz fria e meio azulada.

E tantos olhos comeu e tanta luz guardou, que um dia a Guaçu-boi arrebentou e morreu, espalhando esse clarão gelado por todos os rincões.

Os índios, quando viram aquilo, assustaram-se, não mais reconhecendo a Guaçu-boi.

Diziam, cheios de medo: "Mboi-tatá! Mboi-tatá!", que lá na língua deles quer dizer: Cobra de fogo! Cobra de fogo!

Às vezes, Boitatá é visto como um facho cintilante de fogo correndo de um lado para outro da mata.

No Nordeste do Brasil é chamado de "Cumadre Fulôzinha".

Para os índios ele é "Mbaê-Tata", ou Coisa de Fogo, e mora no fundo dos rios.

A ciência diz que existe um fenômeno chamado fogo-fátuo . (Labareda ténue e fugidia produzida pela combustão espontânea do gás metano.)

São os gases inflamáveis que emanam dos pântanos, sepulturas e carcaças de grandes animais mortos e, que visto de longe, parecem grandes tochas em movimento.

Nomes comuns: No Sul; (São Paulo), Baitatá, Batatá, Bitatá. No Nordeste; (Bahia), Batatão e Biatatá. Entre os índios; Mbaê-Tata.

Origem provável: É de origem Indígena. Em 1560, o Padre Anchieta já relatava a presença desse mito. Dizia que entre os índios era a mais temível assombração.

Já os negros africanos, também, trouxeram o mito de um ser que habitava as águas profundas e que saía, quando era noite, para caçar. Seu nome era Biatatá.

Boitatá é um mito que sofre grandes modificações conforme a região.

Em algumas regiões por exemplo, ele é uma espécie de criatura protetora das florestas contra as queimadas.

Já em outras, ele é causador dos incêndios na mata.

Para muitos ele é o espírito de gente ruim ou almas penadas e, por onde passa, vai tocando fogo nos campos.

E até hoje o Boitatá anda errante pelas noites do Rio Grande do Sul.

Ronda os cemitérios e os banhados. É destes lugares que ele sempre costuma sair, para perseguir os campeiros.

Por isso, a gauchada sabida dos Pampas, depois que fica escuro evita, sempre, passar por perto de onde vive esta assombração.


Fontes: Lendas Gaúchas e Lendas do Brasil
Ilustração:Google Imagens Free


Sua Vida é o Resultado de Suas Ações.
jones

Exibições: 2197

Comentar

Você precisa ser um membro de revista virtual metamorphosis para adicionar comentários!

Entrar em revista virtual metamorphosis

Comentário de Anna Karenina em 5 fevereiro 2011 às 13:40

AMO ESSA LENDA

VOLTEI A INFÂNCIA...

Últimas atividades

Antonio Paiva Rodrigues comentou a postagem no blog UN REGRESAR DE LA VIDA de MARCANTONIO DE OLIVEIRA
2 minutos atrás
Posts no blog por MARCANTONIO DE OLIVEIRA
36 minutos atrás
Gizelda Dantas marcou como favorita a postagem no blog AS PALAVRAS TEM PODER de Gizelda Dantas
4 horas atrás
Posts no blog por Gizelda Dantas
5 horas atrás
Gizelda Dantas entrou no grupo de Anna Karenina
5 horas atrás
SELDA KALIL adicionou uma discussão ao grupo CIRANDA DE POESIAS DE* MARIA HELENA CAMPOS DA PAZ*
12 horas atrás
Adriano Ramos compartilhou o vídeo deles em Google +1
13 horas atrás
Adriano Ramos postou um vídeo

Paloma Faith: Only Love Can Hurt Like This – BBC Proms 2014

Paloma Faith performs Only Love Can Hurt Like This with the Guy Barker Orchestra conducted by Guy Barker and Urban Voices Collective. For more from this Prom...
13 horas atrás

Badge

Carregando...

© 2014   Criado por Anna Karenina.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço