Informação

Biografia


Filho do mulato Francisco Manuel José de Assis, pintor de paredes e descendente de escravos alforriados, e de Maria Leopoldina Machado, uma lavadeira açoriana[7] da Ilha de São Miguel. Machado de Assis, que era canhoto [8], passou a infância na chácara de D. Maria José Barroso Pereira, viúva do senador Bento Barroso Pereira, na Ladeira Nova do Livramento, (como identificou Michel Massa), onde sua família morava como agregada, no Rio de Janeiro. De saúde frágil, epilético, gago,[1] sabe-se pouco de sua infância e início da juventude. Ficou órfão de mãe muito cedo e também perdeu a irmã mais nova. Não freqüentou a escola regular, mas, em 1851, com a morte do pai, sua madrasta Maria Inês, à época morando no bairro em São Cristóvão, emprega-se como doceira num colégio do bairro, e Machadinho, como era chamado, torna-se vendedor de doces. No colégio tem contato com professores e alunos, e provavelmente tenha assistido às aulas quando não estava trabalhando.

Mesmo sem ter acesso a cursos regulares, empenhou-se em aprender e se tornou um dos maiores intelectuais do país, ainda muito jovem. Em São Cristóvão, conheceu a senhora francesa Madamme Gallot, proprietária de uma padaria, cujo forneiro lhe deu as primeiras lições de francês, que Machado acabou por falar fluentemente, tendo traduzido o romance Os Trabalhadores do Mar, de Victor Hugo, na juventude. Também aprendeu inglês, chegando a traduzir poemas deste idioma, como O Corvo, de Edgar Allan Poe. Posteriormente, estudou alemão, sempre como autodidata.
De origem humilde, Machado de Assis iniciou sua carreira trabalhando como aprendiz de tipógrafo na Imprensa Oficial, cujo diretor era o romancista Manuel Antônio de Almeida. Em 1855, aos quinze anos, estreou na literatura, com a publicação do poema "Ela" na revista Marmota Fluminense. Continuou colaborando intensamente nos jornais, como cronista, contista, poeta e crítico literário, tornando-se respeitado como intelectual antes mesmo de se firmar como grande romancista. Machado conquistou a admiração e a amizade do romancista José de Alencar, principal escritor da época. Era, no dizer do historiador literário Marques da Cruz, "ponderado e honesto. Sóbrio na vida e no estilo".[9]

Baptiste Louis Garnier, convida Machado a trabalhar no Jornal das Famílias (1863 - 1878), onde tem contato com as obras de Shakespeare, através das páginas do periódico.[10]

Em 1864 estréia em livro, com Crisálidas (poemas). Em 1869, casa-se com a portuguesa Carolina Augusta Xavier de Novais, irmã do poeta Faustino Xavier de Novais e quatro anos mais velha do que ele. Em 1873, ingressa no Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, como primeiro-oficial. Posteriormente, ascenderia na carreira de servidor público, aposentando-se no cargo de diretor do Ministério da Viação e Obras Públicas.

Podendo dedicar-se com mais comodidade à carreira literária, escreveu uma série de livros de caráter romântico. É a chamada primeira fase de sua carreira, marcada pelas obras: Ressurreição (1872), A Mão e a Luva (1874), Helena (1876), e Iaiá Garcia (1878), além das coletâneas de contos Contos Fluminenses (1870), , Histórias da Meia Noite (1873), das coletâneas de poesias Crisálidas (1864), Falenas (1870), Americanas (1875), e das peças Os Deuses de Casaca (1866), O Protocolo (1863), Queda que as Mulheres têm para os Tolos (1864) e Quase Ministro (1864).

Em 1881, abandona, definitivamente, o romantismo da primeira fase de sua obra e publica Memórias Póstumas de Brás Cubas, que marca o início do realismo no Brasil. O livro, extremamente ousado, é escrito por um defunto e começa com uma dedicatória inusitada: "Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico como saudosa lembrança estas Memórias Póstumas". Tanto Memórias Póstumas de Brás Cubas como as demais obras de sua segunda fase vão muito além dos limites do realismo, apesar de serem normalmente classificados nessa escola. Machado, como todos os autores do gênero, escapa aos limites de todas as escolas, criando uma obra única.

Na segunda fase suas obras tinham caráter realista, tendo como características: a introspecção, o humor e o pessimismo com relação à essência do homem e seu relacionamento com o mundo. Da segunda fase, são obras principais: Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), Quincas Borba (1892), Dom Casmurro (1900), Esaú e Jacó (1904), Memorial de Aires (1908), além das coletâneas de contos Papéis Avulsos (1882), Várias Histórias (1896), Páginas Recolhidas (1906), Relíquias da Casa Velha (1906), e da coletânea de poesias Ocidentais. Em 1904, morre Carolina Xavier de Novaes, e Machado de Assis escreve um de seus melhores poemas, Carolina, em homenagem à falecida esposa. Muito doente, solitário e triste depois da morte da esposa, Machado de Assis morreu em 29 de setembro de 1908, em sua velha casa no bairro carioca do Cosme Velho. Nem nos últimos dias, aceitou a presença de um padre que lhe tomasse a confissão. Bem conhecido pela quantidade de pessoas que visitaram o escritor carioca em seus últimos dias, como Mário de Alencar, Euclides da Cunha e Astrogildo Pereira (ainda rapaz e por isso desconhecido dos demais escritores), ficcionalmente o tema da morte de Machado de Assis foi revisto por Haroldo Maranhão. Não tinha uma visão religiosa, sendo assim declarando-se como ateu
Estilos literários

É considerado por muitos o maior escritor brasileiro de todos os tempos e um dos maiores escritores do mundo, enquanto romancista e contista. Suas crônicas não têm o mesmo brilho e seus poemas têm uma diferença curiosa com o restante de sua produção: ao passo que na prosa Machado é contido e elegante, seus poemas são algumas vezes chocantes na crueza dos termos similar talvez à de Augusto dos Anjos.

Em sua fase romântica: ambítua seus poemas em ambiente urbano, espelha-se em José de Alencar, mas sem sua rispidez e sua volúpia, pelo contrário mostra certo conservadorismo.[11]

Abandona muita dessas características e publica Memórias Póstumas de Brás Cubas, iniciando o realismo no Brasil, um tom próximo ao coloquial, mas com certo requinte, impactante e provocante, incluindo na literatura nacional temas antes não expostos como: a natureza feminina; utiliza-se de ironias refinadas para criticar e abusa da narração em primeira pessoa para criar certo humor, com metalinguagem conversando com o leitor e deixando a obra subjetiva, com uma visão parcial do narrador, o maior exemplo é Dom Casmurro.[11]
Citação
«Machado reúne os pré-requisitos da genialidade. Possui exuberância, concisão e uma visão irônica ímpar do mundo.»

( Harold Bloom, crítico literário estadunidense, sobre o escritor brasileiro Machado de Assis[12])


O crítico estadunidense Harold Bloom considera Machado de Assis um dos 100 maiores gênios da literatura de todos os tempos (chegando ao ponto de considerá-lo o melhor escritor negro da literatura ocidental), ao lado de clássicos como Dante, Shakespeare e Cervantes. A obra de Machado de Assis vem sendo estudada por críticos de vários países do mundo, entre eles, Giusepe Alpi (Itália), Lourdes Andreassi (Portugal), Albert Bagby Jr. (Estados Unidos da América), Abel Barros Baptista (Portugal), Hennio Morgan Birchal (Brasil), Edoardo Bizzarri (Itália), Jean-Michel Massa (França), Helen Caldwell (Estados Unidos da América), John Gledson (Inglaterra), Adrien Delpech (França), Albert Dessau (Alemanha), Paul Dixon (Estados Unidos da América), Keith Ellis (Estados Unidos da América), Edith Fowke (Canadá), Anatole France (França), Richard Graham (Estados Unidos da América), Pierre Hourcade (França), David Jackson (Estados Unidos da América), Linda Murphy Kelley (Estados Unidos da América), John C. Kinnear, Alfred Mac Adam (Estados Unidos da América), Victor Orban (França), Houwens Post (Itália), Samuel Putnam (Estados Unidos da América), John Hyde Schmitt, Tony Tanner (Inglaterra), Jack E. Tomlins (Estados Unidos da América), Carmelo Virgillo (Estados Unidos da América), Dieter Woll (Alemanha) e Susan Sontag (Estados Unidos da América).

O estilo literário de Machado de Assis tem inspirado muitos escritores brasileiros ao longo do tempo e sua obra tem sido adaptada para a televisão, o teatro e o cinema. Em 1975, a Comissão Machado de Assis, instituída pelo Ministério da Educação e Cultura, organizou e publicou as edições críticas de obras de Machado de Assis, em 15 volumes. Suas principais obras foram traduzidas para diversos idiomas e grandes escritores contemporâneos como Salman Rushdie, Cabrera Infante e Carlos Fuentes confessam serem fãs de sua ficção, como também o confessou Woody Allen. A Academia Brasileira de Letras criou o Espaço Machado de Assis, com informações sobre a vida e a obra do escritor.

Machado em suas obras interpela o leitor, ultrapassando a chamada quarta parede, nisso tendo sido influenciado por Manuel Antônio de Almeida, que já havia utilizado a técnica, bem como Miguel de Cervantes, e outros autores, mas nenhum deles com tanta ênfase quanto Machado.
Machado de Assis e o social

Machado de Assis não produziu nenhuma obra que ilustra o Brasil, deu preferência a expor o esqueleto moral que suportava a sociedade do Segundo Reinado em transição para a República.[13]
Machado e o determinismo

Paralelo ao realismo de Machado, ocorre o Naturalismo, que tem como sua base o determinismo. Em Portugal não ocorre essa separação por não contar com Machado, pois é um dos poucos autores da época, senão o único, a não ser influenciado por essas idéias. Em uma famosa carta ele critica o Primo Basílio de Eça de Queirós por falta de profundidade, já que todos são frutos do meio, são personagens exagerados e presos as suas caricaturas, já predeterminados pelo ambiente. Há algumas contradições como o personagem Quincas Borba com a sua filosofia Humanitismo, onde o forte é superior ao fraco.[11]
Obra

Toda a obra de Machado de Assis é de domínio público, por ter expirado o correspondente direito de autor em 1978, completando-se 70 anos do falecimento do autor.
Romance

Diretos, de vocabulário enxuto, com um tom de simplicidade, baseados no cotidiano. Com o tempo Machado ganhou confiança e seus contos tonaram-se mais sóbrios: Memórias Póstumas é o inicio dessa sobriedade.

Os romances não fogem das duas fases de Machado. Em um primeiro momento é influenciado pelo romantismo, por José de Alencar, mas já demonstra certa análises psicológicas, especialmente a feminina, e traços de humor.

Em sua segunda fase, provavelmente influenciado por Flaubert e Balzac, mantém o humor, mas inclui a maldade, pessimismo e sofrimento; os caracteres psicológicos das personagens são aprofundados e a metalinguagem aparece.[14]
Conto

Assim como nos contos, duas fases. Machado é considerado o introdutor de peso do gênero no Brasil, utilizando ironia e humor. Em sua romântica, temática centrada no amor, com enredos pobres, mas com indicativos de sua ironia e capacidade de construir o caráter do personagem, mesmo centrando-se no enredo e não na análise do personagem.

Em sua segunda fase, centra-se na análise psicológica, o enredo é deixado em segundo plano, passa a utilizar os recursos da narração, seus grandes contos nessa fase tendo mulheres como protagonistas.[14]
Teatro

Foi como M.A. iniciou sua carreira literária, escrevendo a maior parte das obras em sua juventude, não tendo muito peso, apenas uma etapa para as suas obras futuras.[14]
Crítica

Desde o início de sua carreira, gostava de fazer críticas teatrais, tendo destaque em "Notícias da Atual Literatura Brasileira: Instinto de Nacionalidade" [15]. Escreve sobre o teatro de Alencar, Gonçalves de Magalhães e Macedo.[14]
Poesia

Em seus três livros iniciais tem forte ligação com o romantismo, escrevendo até poesias indianistas, já na época totalmente ultrapassadas. Mas não tem os mesmo excessos românticos e nem a rigidez parnasiana, teve como base investigações da natureza do homem e reflexões filosóficas.[14]
[editar] Produção literária
Romance Poesia Contos[2] Teatro
Ressurreição, (1872) Crisálidas[3], (1864) Contos Fluminenses, (1870) Hoje avental, amanhã luva, (1860)
A mão e a luva, (1874) Falenas, (1870) Histórias da Meia-Noite, (1873) Queda que as mulheres têm para os tolos, (1861)
Helena, (1876) Americanas, (1875) Papéis Avulsos, (1882) Desencantos, (1861)
Iaiá Garcia, (1878) Ocidentais, (1880) Histórias sem Data, (1884) O caminho da porta, (1863)
Memórias Póstumas de Brás Cubas, (1881) Poesias completas, (1901) Várias Histórias, (1896) O protocolo, (1863)
Casa Velha, (1885) Páginas Recolhidas, (1899) Teatro, (1863)
Quincas Borba, (1891) Relíquias da Casa Velha, (1906) Quase ministro, (1864)
Dom Casmurro, (1899) Os deuses de casaca, (1866)
Esaú e Jacó, (1904) Tu, só tu, puro amor, (1880)
Memorial de Aires, (1908) Não consultes médico, (1896)
Lição de botânica, (1906)

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Machado de Assis para adicionar comentários!

Comentário de VALNIL48 em 22 fevereiro 2010 às 13:10

Comentário de Anna Karenina em 8 outubro 2009 às 13:42

Carolina


Querida, ao pé do leito derradeiro
Em que descansas dessa longa vida,
Aqui venho e virei, pobre querida,
Trazer-te o coração do companheiro.


Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro
Que, a despeito de toda a humana lida,
Fez a nossa existência apetecida
E num recanto pôs o mundo inteiro.


Trago-te flores - restos arrancados
Da terra que nos viu passar unidos
E ora mortos nos deixa e separados.


Que eu, se tenho nos olhos malferidos
Pensamentos de vida formulados,
São pensamentos idos e vividos.


Machado de Assis, 1906
 

Membros (22)

 
 
 

Badge

Carregando...

© 2014   Criado por Anna Karenina.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço